quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

LULA DEFENDE CIRO EM SÃO PAULO




Em uma postagem anterior, neste blog, já coloquei meu posicionamento acerca da candidatura Ciro ao governo de São Paulo.


Peço que leiam a postagem O APOIO DE LULA - DILMA PARA PRESIDENTE E CIRO EM SÃO PAULO: http://lcacoman.blogspot.com/2009/07/o-apoio-de-lula-dilma-para-presidente-e.html


Vejo esta como uma possibilidade muito promissora. Ademais, pelo que consta nos bastidores, é pouco provável que Ciro saia a presidência, afrontando um desejo de unidade que Lula nutre por ele, e que Ciro não desrespeitaria.

Ciro tem índices percentuais similares no âmbito nacional, quando é apontado como candidato a presidência da República, aos de âmbito paulista. Aliás, parece que os índices de acolhimento ao mesmo como candidato a governador no território bandeirante, nos últimos dados de pesquisa supera o percentual nacional.

Esta é uma oportunidade de ser produzido em São Paulo, um movimento com condições efetivas de enfrentar o simulacro tucano que mantém seu bastão e pedágios por quase vinte anos sobre este território.

Ademais, não sendo candidato a presidência seria uma oportunidade de Ciro firmar nome fora de sua dominância de maior prestígio que é o nordeste brasileiro. Haveriam vários ganhos:

a) apoio a Lula e Dilma (reforçando a chapa petista para a presidência);

b) fortalecimento do nome de Ciro fora do eixo nordestino;

c) oportunidade de virar o marasmo simbólico da política paulista (Ciro por ser de fora, e será atacado por isso, acabará chamando atenção para si, mas também para suas propostas e opiniões, problematizando a questão paulista, para além da sensação de que as coisas devem ser assim mesmo);

d) Ciro bateria fortemente em Serra, no âmbito local e daria visibilidade contundente a estas críticas, no âmbito local como candidato a sucessão de seu governo;

e) o PT não perderia com a candidatura de Ciro por que este precisa do apoio do partido tanto para viabilizar uma difícil vitória, quanto para governar efetivamente o Estado;

f) São Paulo precisa de uma alternativa que tenha além da referência partidária, um nome de peso contra o imperativo caduco tucano.


Lula costura coalisão

Essa opinião não é isolada, ontém, o presidente Lula criticou ala do PT paulista contrária ao nome de deputado do PSB na cabeça de chapa. Lula também destacou a necessidade de uma forte aliança para viabilizar uma vitória em São Paulo:
“Antes a gente perdia as eleições porque o PT era metido a besta, não fazia aliança política e aí juntava mil vereadores contra nós e a gente sempre perdia”, disse ao lado do prefeito de São Bernardo do Campo, Luís Marinho (PT), um dos principais defensores da candidatura Ciro.

Como apoio a tendência de alianças, Lula apontou a experiência do petista que hoje governa a cidade de São Bernardo: “Marinho, mais adulto e matuto, mais do interior, construiu uma aliança política e foi procurar vários partidos que o ajudaram a elegê-lo prefeito de São Bernardo. Deus deu sua ajuda, agora depende de nós”.

Marinho defendeu a formação da chapa apoiada pelo PT e encabeçada por Ciro. Segundo ele, a dificuldade do partido com alianças faz parte do passado. “No governo de São Paulo estamos trabalhando fortemente para a construção de uma aliança para o ano que vem. Eu particularmente enxergo a possibilidade da costura da maior aliança no Estado de São Paulo na história do PT. Uma das possibilidades é com Ciro na cabeça de chapa”, afirmou.


Depois de tanto superar FHC, agora Lula bate números do governo dos Milicos

Lula, no encontro de ontém, em São Bernardo, disse ainda que, em sua gestão, a Caixa Econômica Federal bateu o recorde de construção de casas populares que pertencia ao governo do ex-presidente João Baptista Figueiredo, o último da ditadura militar. “A história a gente não pode negar. Mas passamos o recorde do Figueiredo em 2008 e temos 2009 e 2010”, concluiu.




Nenhum comentário:

Postar um comentário